Dinâmica agrária e a territorialização do complexo celulose/papel na microrregião de três lagoas/ms || Mieceslau Kudlavicz || 2011

Definimos como objetivo da pesquisa, analisar a dinâmica agrária na Microrregião de Três Lagoas na última década. Consequentemente, também são alvos de estudo, as transformações territoriais a partir da implantação do monocultivo do eucalipto nessa Microrregião, cujo processo está aliado à construção na atualidade da maior fábrica de celulose e papel do mundo, fruto da parceria entre IP/VCP (International Paper e Votorantin Celulose e Papel) com um investimento de aproximadamente Três bilhões de reais.

Aliado a essa investigação dos fatos no tempo presente, buscamos entender como ocorre à reorganização da posse e do uso do espaço agrário na Microrregião de Três Lagoas, tendo como base os dados do Censo Agropecuário do IBGE de 1995/96 e de 2006. Pesquisa esta alinhavada com as entrevistas com camponeses, funcionários e ex-funcionários das empresas de celulose e papel, participação em seminários promovidos pelo setor de celulose – e por entidades que se opõem aos monocultivos de árvores. Além de conversas informais com os proprietários de terras da Microrregião de Três Lagoas e com representantes de comunidades impactadas da Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Este caminho investigativo pretendeu apreender a complexidade da aliança entre o capital industrial nacional/internacional e o capital agrário local, bem como o papel do poder público por meio dos incentivos fiscais e facilidades creditícias. Nesse sentido, fundamental se fez analisar como o favorecimento econômico oferecido pelo Estado por meio dos incentivos fiscais reforçou as relações de troca de favores entre o público e o privado, à semelhança do que Martins afirma ao estudar a formação do Estado brasileiro: ―as trocas de honrarias, como títulos e privilégios, no fim resultavam em poder político e, consequentemente, em poder econômico‖ (MARTINS, 1994, p.23).

A pesquisa que realizamos no intuito de compreender a dinâmica no uso e ocupação da terra na Microrregião de Três Lagoas, bem como seus desdobramentos, aponta para algumas certezas e também para questões polêmicas, pois, que, a verdade é uma construção histórica e em torno dela há disputas de concepções de mundo e projetos de sociedade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *