A territorialização do monopólio no setor celulístico-papeleiro: a atuação da Veracel Celulose no Extremo Sul da Bahia || Léa Lameirinhas Malina || 2013

A pesquisa objetivou verificar de que modo se dá a territorialização do monopólio
(OLIVEIRA, 1999; 2001a; 2004; 2007a) gerada pela produção de celulose e papel a partir da
plantação de extensas áreas de eucaliptos no Brasil. Atualmente, o Brasil é o maior produtor
mundial de celulose de mercado de fibra curta (originada do eucalipto), e a Bahia, o estado
com maior área ocupada com essa cultura para esse fim. A análise partiu do entendimento da
reposição de um capitalismo rentista (MARTINS, 1994) no país, processo imbricado à
manutenção de uma aliança de classes entre proprietários fundiários e capitalistas, que
mantém uma estrutura fundiária extremamente desigual em função da corrida pela renda
fundiária, assim trazendo, inelutavelmente, a face violenta e conflitiva do campo. Esses
processos ganham novas mediações a partir das décadas de 1960 e 1970, com a modernização
da agricultura e, em especial, pela nova roupagem na qual se reveste o latifúndio no país em
tempos de mundialização do capital, qual seja, o agronegócio (ALMEIDA, 2008). Nessa
perspectiva, verticalizou-se a análise, a partir da bibliografia consultada e também de dados
cartoriais e entrevistas obtidos em trabalho de campo, no lugar ocupado pelo Extremo Sul da
Bahia na divisão territorial do trabalho, pela especialização da produção, e em como vêm se
dando os arranjos territoriais e as mudanças e permanências na estrutura fundiária nessa
parcela do território, a partir da implementação da Veracel Celulose. Essa empresa, entendida
aqui como produtora e produto da territorialização do monopólio, detém a hegemonia da
propriedade privada da terra e da produção no campo – e na política econômica – da região.
Além disso, nesse contexto, torna-se disparadora de diversos conflitos por terra e território no
Extremo Sul da Bahia, e os aprofunda.

Palavras-chave: Território. Territorialização do monopólio. Veracel Celulose. Papel e
Celulose.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *