Rompendo o silêncio

 

Brasil, 2006

Produção: FASE

Idioma: português

Os motivos da ação de protesto das 2.000 mulheres da Via Campesina no dia 8 de março de 2006, no viveiro da Aracruz Celulose, no Rio Grande do Sul, sendo, ao mesmo tempo, uma denuncia contra a expansão do deserto verde no Rio Grande do Sul.O filme denuncia e mostra também os impactos da monocultura de eucalipto no Espirito Santo.

No primeiro semestre de 2006, mulheres ligadas ao MST e à Via Campesina, movimento camponês mundial, ocuparam a fazenda da Aracruz Celulose no Rio Grande do Sul, destruíram suas plantações de eucalipto, laboratórios e milhares de mudas. A burguesia se escandalizou e a mídia tratou o episódio como caso de polícia. Mas o fato serviu para chamar a atenção da sociedade para a inversão da lógica econômica neoliberal: não há dinheiro para investir na agricultura e na produção de alimentos, mas sobra dinheiro para o agronegócio. Este vídeo explica as razões que levaram as mulheres sem-terra a decidir pela ocupação e pela destruição das plantações e do laboratório da Aracruz Celulose. Encerrado o documentário, ficam as perguntas: o que significa a ação das camponesas diante dos 30 anos de destruição de matas nativas promovidos no Brasil pela Aracruz Celulose? O que vale a destruição de mudas de eucaliptos, o chamado “deserto verde”, frente aos milhares de hectares de mata atlântica derrubados pela empresa desde que se implantou no Espírito Santo e no Rio Grande do Sul? O que se fez para resgatar as terras e a cultura subtraídas dos índios guaranis e tupiniquins?

Duração 17 min | Videoteca Virtual Gregório Bezerra

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *